Em destaque

Manifesto do Novo Eleitor

Manifesto do Novo Eleitor

cropped-logo-novo-eleitor.pngÉ preciso desestabilizar as quadrilhas políticas que corrompem os três poderes. Não pense que a roubalheira é exclusividade de um ou outro partido. Maus políticos existem em todas as legendas. É preciso separar o joio do trigo. Mesmo que os cargos executivos sejam pilhados pelas quadrilhas partidárias com suas figuras políticas carimbadas, é fundamental votar e renovar as práticas.

São 4 dicas que, se seguidas, poderão fazer das eleições de 2018 o começo de uma grande mudança. Clique em cada um dos cards para saber quais são.

Mudança de verdade

mudançaNão se deve votar em quem esteja tentando reeleição pela ‘‘enésima’’ vez. A figura do “político profissional” apenas reforça a necessidade de uma mudança imediata no quadro político nacional. A política que temos hoje é o reflexo da mesmice praticada nas urnas. Avalie com lupa os candidatos que aparecem com discurso de que não são políticos. Só o fato de se candidatarem mostra que são políticos, sim. Não basta trocar nomes, é preciso trocar práticas na política. Procure conhecer a vida e a trajetória pregressa do candidato. Se fez algo de relevante para a sociedade ou não, se tem ou teve problemas na Justiça, se tem conhecimento suficiente para exercer um mandato eletivo, se o seu discurso se coaduna com suas práticas. (baixe o card e compartilhe nas redes)

Ficha limpa (suja)

ficha-sujaA Justiça diz que ‘‘ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória’’, mas é importante considerar que alguém que responda a vários processos possa ser culpado em alguns deles. Considere ainda o fato de que, ao ser eleito, o político contará com o foro privilegiado, algo que tem se mostrado uma quase imunidade à condenações. (baixar card e compartilhe nas redes)

Candidatos estepes

estepesNão se deve votar em quem é indicado por algum político impedido de disputar as eleições (ficha suja). Essa “oligarquia política” apenas contribui para que um pequeno grupo de pessoas predomine no cenário político de um município ou estado. Avalie se o candidato é de uma família de políticos. Caso seja, que contribuição essa família deu politicamente? Você se sente representado por eles? Não adianta trocar o pai pelo filho, o marido pela esposa, o irmão pelo irmão. É preciso analisar se o candidato não vai apenas dar continuidade ao projeto político familiar. (baixar card e compartilhe nas redes)

Candidatos Pinóquio

pinnochioNão se deve votar em candidatos que prometem mais do que podem cumprir. Desconfie de quem diz que vai fazer algo que não dependa exclusivamente dele. Estude as competências de cada cargo em disputa. Democracia exige esforço. Tente compreender se aquilo que o candidato está prometendo está de acordo com o cargo que ele pretende exercer. Se for um candidato que já cumpriu outros mandatos, procure saber se ele cumpriu a maioria dos seus compromissos. (baixar card e compartilhe nas redes)

 

 

Ana Cândida, a analisadora de candidatos

Ana Cândida é uma recurso tecnológico que analisa, com base no Manifesto do Novo Eleitor, candidatos que estão concorrendo nas eleições de 2018.

O resultado, porém, pode ser diferente de um usuário para outro, pois além de se basear nos quatro tópicos do manifesto, a Ana considera a percepção de cada respondente sobre cada uma das 8 questões.

Em todas as perguntas é apresentadas a opção de resposta que permite ao usuário considerá-la relevante ou não, ação que influencia no resultado final.

A Operação Política Supervisionada – OPS, está projetando desenvolver a versão 2 da Ana Cândida que analisará os candidatos que irão para o segundo turno dessas eleições, apresentando informações mais precisas, sem a necessidade de acessar o Google, como é a versão atual.

Acesse a Ana Cândida

Atribuições dos cargos políticos

Presidente da República

O presidente da República é quem governa e administra os interesses públicos da nação. Ele tem o dever de sustentar a integridade e a independência do Brasil, bem como apresentar um plano de governo com programas prioritários, projetos de lei de diretrizes orçamentárias e propostas de orçamento. Exerce atribuições administrativas, legislativas e militares de acordo com a Constituição Federal.

Faz parte de suas atribuições administrativas nomear os chefes dos ministérios, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), dos tribunais superiores e o advogado-geral da União, bem como conceder indulto e comutar penas.

Já as atribuições legislativas permitem que ele possa iniciar um processo legislativo, sancionar, promulgar e publicar leis, além de expedir decretos.
Quanto ao poder militar, o presidente é o comandante supremo das Forças Armadas, cabendo a ele, exclusivamente, declarar a guerra e celebrar a paz, com autorização do Congresso Nacional.

No que se refere à política externa, é o presidente da República que decide sobre as relações com outros países, sobre o credenciamento de representantes diplomáticos e sobre a celebração de tratados, convenções e atos internacionais, sujeitos a referendo do Congresso Nacional.

Governador

É o governador que exerce o Poder Executivo na esfera dos estados e do Distrito Federal. Cabe a ele representar, no âmbito interno, a respectiva Unidade da Federação em suas relações jurídicas, políticas e administrativas.
No exercício da sua função de administrador estadual, ele é auxiliado pelos secretários de estado. O governador participa do processo legislativo e responde pela segurança pública. Para isso, o governador conta com as Polícias Civil e Militar e com o Corpo de Bombeiros.
Em razão da autonomia dos estados e do Distrito Federal, cada constituição estadual e a lei orgânica do DF dispõem sobre competências, atribuições e responsabilidades do cargo de governador.

Senador

Os senadores representam os estados e o Distrito Federal, e têm a prerrogativa constitucional de fazer leis e de fiscalizar os atos do Poder Executivo. Além disso, a Constituição Federal traz como competência privativa dos senadores: processar e julgar, nos crimes de responsabilidade, o presidente e o vice-presidente, os ministros e os comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, os ministros do Supremo Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público, o procurador-geral da República e o advogado-geral da União.

Deputado federal

Os deputados federais são os representantes do povo na esfera federal. Sua atribuição principal é fazer leis de abrangência nacional e fiscalizar os atos do presidente da República. Eles também podem apresentar projetos de leis ordinárias e complementares, de decreto legislativo, de resolução e emendas à Constituição, além de criar Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs), discutir e votar medidas provisórias editadas pelo Executivo.

Deputado estadual ou distrital

Os deputados estaduais ou distritais têm a incumbência de representar o povo na esfera estadual (Assembleia Legislativa) ou distrital (Câmara Legislativa do Distrito Federal). Sua função principal é a de legislador, ou seja, legislar, propor, emendar, alterar e revogar leis estaduais.

Eles também fiscalizam as contas do Poder Executivo e desempenham outras atribuições referentes ao cargo. Vale lembrar que cada constituição estadual ou distrital também pode delegar outras atividades, exclusivas ou não, aos deputados estaduais ou distritais.

Vereador

O Vereador é a pessoa eleita pelo povo para cuidar do bem e dos negócios do povo em relação à administração pública, ditando as leis necessárias para esse objetivo, sem, contudo, ter nenhum poder de execução administrativa.

Portanto, não pode prometer, já que não tem poderes para cumprir e/ou realizar obras, resolver problemas da saúde, da educação, do esporte, da cultura, do lazer, do asfalto, do meio ambiente, do trânsito, dos loteamentos e casas populares, etc. Sua atribuição é auxiliar a administração nesses objetivos, por meio de Indicações e/ou Requerimentos.

O que é o Projeto Novo Eleitor

O Projeto Novo Eleitor é uma iniciativa da Operação Política Supervisionada (OPS) que tem como finalidade melhorar a qualidade do voto dos eleitores brasileiros. Para isso será elaborado um manifesto que conterá “os princípios básicos do novo eleitor“, onde será possível extrair informações necessárias e precisas para que a escolha dos candidatos seja feita de maneira mais criteriosa e responsável.

Não há nenhum interesse financeiro ou partidário neste projeto, assim como são os demais da OPS. O objetivo é apenas tentar melhorar a qualidade dos eleitores, pois temos a convicção de que não se muda a política (para melhor) mantendo os mesmos políticos de sempre.

Um eleitor mais esclarecido e responsável na hora de votar poderá mudar essa realidade vivida no país há anos, quando “os mesmos de sempre” se alternam entre uma casa legislativa e outra, entre o parlamento e o executivo, criando assim um círculo vicioso que nada contribui para minimizar os efeitos danosos que todos conhecemos.

Obviamente que a elevação do nível de qualidade do voto do brasileiro não é o único fator que fará com que tenhamos um política à altura da sueca ou norueguesa, por exemplo. Mas é uma das engrenagens que fará girar o motor que poderá nos conduzir a um grau de credibilidade política minimamente aceitável num futuro não muito distante.

O fim das regalias palacianas, o fim dos supersalários, das verbas indenizatórias, das indicações ministeriais em troca de apoio político, do coeficiente eleitoral e de tudo aquilo que é absurdamente aceito como “normal” nos dias de hoje jamais acontecerão se mantivermos “o mesmo tipo em campo“.

O Projeto Novo Eleitor está sendo desenvolvido com a ajuda de colaboradores anônimos (ou não) que juntos estão transformando em realidade o ambicioso projeto de melhorar o Brasil do futuro.

%d blogueiros gostam disto: